Cidade News

Cárdio Pulmonar realiza cirurgia de implante cerebral que melhora sintomas em paciente de Parkinson

Conhecido como DBS, procedimento complexo, que passa a integrar o rol de serviços disponíveis pelo hospital, é o mais avançado para tratar transtornos de movimento

O HCP (Hospital Cárdio Pulmonar), da Rede D’Or, acaba de realizar um procedimento complexo, de estimulação cerebral profunda, DBS (do inglês Deep Brain Stimulation), para tratamento de Parkinson e outros transtornos que afetam o movimento. A cirurgia foi feita em paciente do sexo masculino, de 80 anos, e durou aproximadamente seis horas. O diagnóstico foi de doença de Parkinson refratária, apresentando tremor, entre os sintomas importantes.

O tratamento via DBS, que passa a integrar o rol de serviços disponibilizados pelo HCP, é bastante avançado, feito por meio da implantação de dois chips cerebrais ligados a um marcapasso, que permite controlar os sintomas do paciente. O método também pode ser usado para outras doenças como distonia, tremor essencial, transtorno obsessivo compulsivo, dor crônica, depressão e Síndrome de Tourrete.

“A estimulação cerebral profunda é uma importante modalidade terapêutica para pacientes, especialmente aqueles que não respondem adequadamente ao tratamento farmacológico, ou que apresentam efeitos colaterais significativos desses medicamentos”, informa o neurocirurgião responsável pelo procedimento, Anselmo Boa Sorte, especialista em neuromodulação e transtornos neurológicos do movimento.

Evolução

Ele explica que o DBS é uma evolução importante e uma alternativa aos métodos feitos anteriormente, com base em medicamentos ou com cirurgia, chamada ablativa, em que se queimava a região relacionada à doença. “A neuromodulação é uma das maiores promessas no tratamento de doenças de difícil controle que interferem na qualidade de vida do paciente. Dentre as técnicas de neuromodulação, o DBS é uma das mais expoentes, especialmente nos casos de Parkinson”, afirma o médico.

Entre as vantagens do tratamento com DBS estão a melhora dos sintomas motores, redução de medicamentos, alternativa para aqueles que não podem usar certos remédios, tratamento personalizado, e eficácia a longo prazo.

No caso do paciente do Cárdio Pulmonar, a alta médica foi 72 horas após o procedimento. Os cuidados do pós-operatório são a observação nas primeiras 24 horas, em unidade de terapia intensiva, cuidados com a cicatriz, reabilitação, e atividades leves por pelo menos 15 dias. A expectativa é de melhora dos sintomas, especialmente do tremor, e da qualidade de vida.

Equipe

No total, estiveram envolvidos diretamente na cirurgia, sete profissionais: dois neurocirurgiões, um técnico de estimulação, dois instrumentadores e dois anestesistas, além de toda a equipe de enfermagem do centro cirúrgico do hospital. A equipe de neurocirurgia que realizou o procedimento conta com os médicos Anselmo Boa Sorte, Leonardo Conrado, Raimundo Nonato, Marcelo Pereira e Yuri Andrade.

Sobre a importância de o HCP passar a disponibilizar o procedimento de DBS, o neurocirurgião Anselmo Boa Sorte destaca que só é possível devido à unidade hospitalar ter uma equipe multidisciplinar afinada, com experiência em transtornos de movimento e dispor de toda a infraestrutura necessária para a sua realização. Ele observa que no mundo já existem mais de 200 mil pacientes implantados para doença de Parkinson, com ótimos resultados.

 

 

Crédito das imagens: Marketing/Rede D’or.

 

Crédito das imagens: Marketing/Rede D’or.

 

Redação: Wilton Andrade

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.