Cidade News

Pistas apresentadas por hacker em novo depoimento são frágeis, avalia PF

Walter Delgatti prestou mais um depoimento à Polícia Federal após ter feito novas acusações à CPMI dos Atos Golpistas. Segundo advogado, material apresentado permitirá que PF confirme falas.

Investigadores da Polícia Federal (PF) ouvidos pela reportagem afirmaram que o novo depoimento dado pelo hacker Walter Delgatti nesta sexta-feira (18) trouxe algumas pistas sobre como comprovar suas alegações, mas que elas são frágeis.

A PF convocou Delgatti a depor novamente após suas falas na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Atos Golpistas, na quinta-feira (17). Como já havia dito o advogado de Delgatti, Ariovaldo Moreira, ele confirmou o que disse à CPMI. Entre outras declarações, o hacker afirmou à PF que:

 

Delgatti: “(Bolsonaro) disse: ‘se um juiz te prender, mando prender o juiz’ e riu’

  • Ele sabia que estava cometendo crime ao agir contra as urnas, mas que havia recebido ordem do então presidente;
  • Carla Zambelli fez o texto do falso mandado de prisão contra Moraes que foi incluído em sistemas de Justiça que foram invadidos;
  • Esteve 5 vezes no Ministério da Defesa e orientou servidores da pasta na elaboração de relatório sobre urnas, que foi entregue ao Tribunal Superior Eleitoral;
  • Recebeu um áudio de uma assessora da Carla Zambelli, com promessas de pagamento pelos serviços prestados durante a campanha presidencial. A PF vai procurar a suposta assessora mencionada por Delgatti, que ele disse se chamar Cris.

 

O hacker já havia prestado depoimento à PF na quarta-feira (16), quando afirmou que recebeu R$ 40 mil de Carla Zambelli para invadir qualquer sistema do Poder Judiciário. A deputada nega a acusação.

Por Cesar Tralli, TV Globo e GloboNews

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.