Cidade News

Viajante, cuidado: ONU aponta estes países como os mais perigosos do mundo

O mundo é cheio de destinos paradisíacos, de beleza única, mas que em muitos casos, podem ser um risco para turistas. Em um novo estudo, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) selecionou países com altas taxas de atividades criminosas, diretamente ligadas aos elevados números de homicídios. Os locais com índices mais graves concentraram-se numa área do Caribe, um recanto paradisíaco com águas cristalinas.

O mais recente estudo do UNODC, criada em 1997 como uma agência “para combater as drogas ilícitas e o crime internacional”, elencou “os países mais perigosos do mundo”.

Recolhendo dados do ano de 2022, a pesquisa afirma que a maior parte dos homicídios é produto de atividades criminosas que, na maioria dos casos, utilizam armas ilegais contrabandeadas dos Estados Unidos, onde a taxa de homicídios é de apenas 6,4 por 100 mil habitantes. Os países que compõem o topo do ranking têm índices até cinco vezes maiores que os EUA.

1. Jamaica

 

Praia na Jamaica — Foto: Reprodução/Youtube
Praia na Jamaica — Foto: Reprodução/Youtube

A Jamaica está no topo da lista dos “países mais perigosos do mundo” com uma taxa de homicídios de 53,34 por 100 mil habitantes. Um total de 1.508 assassinatos foi registrado em 2022, quase dez vezes superior à média mundial (5,8). Só em janeiro de 2024 já foram contabilizados 65 homicídios no país centro-americano.

 

Em comparação, em 2021 a taxa de homicídios foi de 52,13 por 100 mil, número que vem aumentando desde 1990 e atingiu seu pico máximo em 2005, quando foram registrados 1.674 homicídios (62,54/100 mil).

É diferença gritante em comparação ao “o país mais seguro do planeta”: Mônaco, que em 2022 se destacou pela taxa zero de homicídios. A corrupção é um dos fatores que mais afeta regiões com altos índices de criminalidade. Em 2022, a Jamaica obteve 44 pontos no Índice de Percepção da Corrupção (IPC) publicado pela Organização Internacional de Transparência.

2. São Vicente e Granadinas

 

As águas ao redor do Parque Marinho Tobago Cays em São Vicente e Granadinas, no Caribe — Foto: Erik Freeland/The New York Times
As águas ao redor do Parque Marinho Tobago Cays em São Vicente e Granadinas, no Caribe — Foto: Erik Freeland/The New York Times

Outro país caribenho ocupa o segundo lugar. Em 2022, São Vicente e Granadinas apresentou uma taxa de homicídios de 40,41 em cada 100 mil pessoas, o que se traduz num total de 42 assassinatos por ano. Um crescimento significativo em relação ao ano anterior, quando foram registrados 32 óbitos (30,67 a cada 100 mil), e ainda mais distante dos 11 homicídios contabilizados em 1990 (9,78 a cada 100 mil).

Esta monarquia parlamentar, que faz parte da Comunidade das Nações e da CARICOM (Comunidade do Caribe), tem uma população de aproximadamente 109.600 habitantes. De acordo com o relatório do Estudo sobre Armas de Fogo do Caribe de 2023, a taxa de mortes violentas nos países da Caricom é quase três vezes maior que a média global e mais da metade dos homicídios envolvem armas de fogo.

As guerras entre gangues criminosas, o tráfico de drogas e a proliferação de armas ilegais são a preocupação número um dos governos, que consideram a crescente violência na região uma verdadeira “epidemia”.

3. Trindade e Tobago

 

A República de Trindade e Tobago fecha o pódio com 605 homicídios registrados em 2022, uma taxa de 39,52 em cada 100 mil pessoas, outro salto alarmante em relação ao ano anterior, quando foram contabilizados 448 assassinatos (29,36 a cada 100 mil). Este é mais um dos países caribenhos onde a violência continua a aumentar quando se comparam as estatísticas de uma década atrás, com apenas 352 mortes.

“É uma guerra que não podemos perder”, declarou Keith Rowley, o primeiro-ministro de Trindade, afirmando que, nos últimos 15 anos, o orçamento da Segurança Nacional atribuído à vigilância policial aumentou 32%.

 

 

O Estudo sobre Armas de Fogo do Caribe também observa que o mercado dos Estados Unidos é uma importante fonte de armas e munições ilícitas que chegam à região através de diferentes meios de transporte aéreo e marítimo. Por esta razão, Trindade e Tobago, Antígua e Barbuda, São Vicente e Granadinas e Bahamas – que também aparece nesta lista – juntaram-se ao México para processar vários fabricantes de armas.

4. Santa Lúcia

 

Vista do resort Anse Chastenet em Santa Lúcia, no Caribe; hotel oferece aulas de culinária vegana, um restaurante vegano e uma cervejaria artesanal no local que produz cervejas veganas Giorgos Diakos Lomnios/Koukoumi Hotel via The New York Times — Foto: O Globo
Vista do resort Anse Chastenet em Santa Lúcia, no Caribe; hotel oferece aulas de culinária vegana, um restaurante vegano e uma cervejaria artesanal no local que produz cervejas veganas Giorgos Diakos Lomnios/Koukoumi Hotel via The New York Times — Foto: O Globo

Ao norte de São Vicente e Granadinas fica Santa Lúcia, outro dos países que compõem a Comunidade do Caribe (CARICOM), onde as taxas de homicídios não param de crescer desde a década de 1990, quando apenas um dígito foi registrado no número de mortes.

 

 

No último relatório do UNODC, a ilha caribenha registou 66 assassinatos anualmente, uma taxa de 36,7 em cada 100 mil pessoas, a grande maioria deles homens entre 25 e 44 anos.

“Na última década houve um aumento significativo de assassinatos, impulsionados em grande parte pela violência de gangues”, comentou Allen Chastanet, antigo primeiro-ministro de Santa Lúcia, agora líder da oposição no Parlamento: “A nossa polícia local não é capaz de lidar com estes problemas e não os abordamos como um problema regional”, acrescentou, deixando claro que a situação violenta não parece ter uma solução a curto prazo.

5. Honduras

 

Pôr do sol visto do Xbalanque Resort em Roatán, em Honduras The New York Times — Foto: O Globo
Pôr do sol visto do Xbalanque Resort em Roatán, em Honduras The New York Times — Foto: O Globo

Em 2022, foram notificados 3.661 homicídios em Honduras , uma taxa de 35,09 por 100 mil habitantes. Embora o número ainda seja elevado, a presidente Xiomara Castro pode sentir algum alívio, especialmente se compararmos com os números de uma década atrás, quando os índices de violência no país centro-americano indicavam que ocorria um assassinato por hora. Durante os anos do governo do presidente Porfírio Lobo (2010-2014), ocorreram 20.515 homicídios e a taxa atingiu seu pico histórico em 2011: 83,4/100 mil habitantes. Nesse mesmo período, mais de 20 jornalistas foram assassinados e 70% dos feminicídios ficaram impunes.

De acordo com a “Análise da segurança cidadã em Honduras para o primeiro semestre de 2023” – um estudo preliminar realizado pelo Ministério da Segurança, com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e da Agência Internacional de Desenvolvimento dos Estados Unidos (USAID) –, entre janeiro e junho do ano passado os homicídios foram reduzidos em 13,7% (menos 261 vítimas) em comparação com o mesmo período de 2022, mas os jovens entre 18 e 30 anos continuam a ser as principais vítimas de homicídios (37,4% dos total).

6. África do Sul

 

África do Sul — Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
África do Sul — Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A República da África do Sul ocupa o sexto lugar, com uma taxa de homicídios de 33,96 por 100 mil habitantes , segundo dados recolhidos pelo UNODC em 2020, quando foram reportados 19.972 assassinatos. As taxas de violência têm diminuído desde a década de 1990, quando os números ultrapassaram as 26 mil mortes anuais. No ano passado, uma média de 75 pessoas foram assassinadas por dia, enquanto uma média de 400 roubos ocorreram diariamente.

Grande parte do problema deve-se ao fato de o país ter uma atividade criminosa generalizada em indústrias como a mineração, a construção e os transportes. Outro ponto importante é que a África do Sul se tornou um centro de trânsito para drogas ilícitas do Afeganistão para a Europa.

7. Bahamas

 

CocoCay, ilha privada da Royal Caribbean nas Bahamas, é o último destino do cruzeiro — Foto: Royal Caribbean
CocoCay, ilha privada da Royal Caribbean nas Bahamas, é o último destino do cruzeiro — Foto: Royal Caribbean

De volta ao Caribe, as Bahamas ocupam a sétima posição no ranking dos “países mais perigosos do mundo”, com uma taxa de homicídios de 31,22 por 100 mil habitantes, totalizando 128 mortes.

O número corresponde a um pequeno aumento em relação ao ano anterior, quando foram notificados 119 homicídios (29,17 a cada 100 mil). Em 2022, o primeiro-ministro das Bahamas, Philip Davis, informou que 98,6% do total de armas de fogo ilegais recuperadas em seu país eram originárias dos Estados Unidos.

Desta forma, Davis juntou-se aos demais países que compõem a CARICOM para pedir ao governo dos EUA e aos fabricantes de armas sediados no país que cooperem com o Caribe para prevenir o problema. Por sua vez, no início deste ano, a Embaixada dos Estados Unidos nas Bahamas emitiu um alerta de segurança e um aviso aos seus viajantes depois de terem sido registados 18 assassinatos no mês de janeiro, muitos dos quais atribuídos à ação de diferentes gangues criminosas.

8. São Cristóvão e Nevis

 

A Federação de São Cristóvão e Nevis é o menor país do continente americano, tanto em tamanho quanto em população, mas isso não a isenta de aparecer na lista com uma taxa de homicídios de 29,41 por 100 mil habitantes. Em 2021, este microestado caribenho reportou 14 assassinatos, um número significativamente inferior ao pico atingido há uma década (34 mortes), mas ainda longe dos anos 90, quando os números não ultrapassavam um dígito anualmente.

9. Belize

 

Placencia, Belize — Foto: Reprodução
Placencia, Belize — Foto: Reprodução

Belize é o último país centro-americano da lista. Em 2022, registrou uma taxa de homicídios de 27,88 por 100 mil habitantes, um total de 113 homicídios anuais e uma ligeira diminuição em relação a 2021, quando a taxa foi de 31,25. De acordo com o departamento de polícia local, “a maior parte da violência provém da atividade de gangues, que inclui o tráfico de drogas e de seres humanos, a proteção de rotas de contrabando e a segurança de território para o tráfico”.

 

 

Apesar disso, as taxas de criminalidade ainda são inferiores às de países vizinhos como Honduras, mas superiores às da Guatemala (19,99) e de El Salvador (7,83). Em 2019, 58% dos assassinatos ocorreram como resultado de guerras de gangues.

10. Equador

 

Arco de Darwin, Ilhas Galápagos, Equador — Foto: Galapagos Conservancy
Arco de Darwin, Ilhas Galápagos, Equador — Foto: Galapagos Conservancy

Segundo o relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, o país mais perigoso da América do Sul é o Equador, com uma taxa de homicídios de 26,99 por 100 mil habitantes. Em 2022, foram registrados 4.859 mortes, impulsionadas pela recente escalada da violência de gangues locais. Embora a república tivesse algumas das taxas de criminalidade mais baixas da região em 2019 (6,84), as autoridades asseguram que os gangues de tráfico de droga assumiram gradualmente o controle do país.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.